CPI do transporte coletivo em Manaus é arquivada

Esta notícia publicada pelo jornal Em Tempo pode ter passado em branco algumas semanas atrás, mas para quem perdeu a informação aqui segue o texto publicado no dia 17 de março de 2010.

O presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), Luiz Alberto Carijó
(PTB), engavetou, ontem, mais uma CPI dos transportes coletivos. Após à
leitura do parecer da Procuradoria da Casa, que pediu o arquivamento do
pedido de Wilton Lira (PTB), por “não preencher os requisitos necessários
à sua implementação”, Carijó colocou em discussão, e, antes da votação, um
acirrado bate-boca entre os vereadores Leonel Feitoza (PSDB), Mário Frota
(PDT) e Hissa Abrahão (PPS) levou o presidente a decidir,
monocraticamente, pelo arquivamento da proposta.
Ao comentar a decisão da procuradoria, Carijó reconheceu o aspecto da
legalidade do pedido, com a assinatura de dois terços dos vereadores, mas
o requerimento, de acordo com a Procuradoria, contrariava o artigo 61, do
Regimento Interno, que diz que “as CPIs só podem ser convocadas para
apurar um fato determinado”. O presidente concordou que apenas um fato
determinado seria o suficiente para caracterizar a legalidade do pedido,
“mas, infelizmente, tornou-se inviável”.
Na discussão, os vereadores Homero de Miranda Leão  (PHS), Eloi Aabreu
(PTN), Hissa Abrahão (PPS), Wilker Barreto (PHS), Socorro Sampaio ((PP),
José Ricardo (PT) e Mário Frota (PDB) discordaram do pedido da
Procuradoria. Para Frota, é preciso esclarecer como foi aplicoado o
dinheiro do financiamento do BNDES para a implantação do Expresso, José
Ricado quer investigar a planilha de custo, Hissa considerou “imoral” o
arquivamento, enquanto Homero dizia que tinha assinado a CPI para
esclarecer o problema nos coletivos de Manaus.
Mas foi o vereador Feitoza que provocou o bate-boca. Ao descartar a CPI,
ele voltou a propor a criação de um fórum de debates para discutir o
problema dos transportes coletivos de Manaus “de forma mais ampla”,
sugerindo a participação do Ministério Público, da Ordem dos Advogados do
Brasil-Amazonas (OAB), Governo do Estado, Prefeitura de Manaus, estudantes
secundaristas, universitários e asociações representativas da sociedade.
Mário não concordou com a proposta de Feitoza, que por sua vez não poupou
críticas ao pedetista, dizendo que ele, quando esteve na Prefeitura, nada
fez para solucionar a crise, que “ele era conivente com o decaso no
transporte coletivo”. Hissa, que entrou na Justiça com pedido de liminar
para garantir abertura de uma CPI de sua autoria, se juntou a Frota e
disse estar envdrgonhado de pertencer à classe política.
Depois de várias advertências, o presidente Carijó arquivou a CPI e
encerrou a sessão no calor da discussão.

(Fonte: Jornal Em Tempo) Publicado em: 17.03.2010

Anúncios
Published in: on abril 3, 2010 at 11:34 pm  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://stpmanaus.wordpress.com/2010/04/03/cpi-do-transporte-coletivo-em-manaus-e-arquivada/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: